Controle de jornada e os novos trabalhadores

Controle de jornada e os novos trabalhadores

A chamada era pós-industrial trouxe uma série de consequências para as relações humanas, notadamente para o mundo do trabalho. Reflexos dessas mudanças são percebidas diariamente e seus sintomas são observados nas carreiras, nos planos profissionais, na dinâmica de tarefas, nos salários e no controle de jornada – tema deste post.

Antes de entrarmos neste novo paradigma, convém darmos alguns passos atrás, e nos lembrarmos sobre como era o mundo do trabalho antes do fim do século passado.

Nova revolução industrial

Passada a nova revolução industrial, em alguma medida as atividades econômicas nos países desenvolvidos e em desenvolvimento estavam bem determinadas em quatro eixos principais: agricultura, indústria, comércio e serviços.

Quem tinha oportunidade de buscar uma carreira – quer seja por meio da qualificação profissional, quer seja por experiência adquirida – definia um projeto para a vida toda.

A partir dos 20 e poucos anos, aquele cidadão poderia dizer como passaria o resto de sua jornada economicamente ativa: em um consultório odontológico, em um escritório de contabilidade, atrás de um balcão de comércio; em uma linha de produção automobilística, em uma oficina mecânica, na lavoura cafeeira; em uma redação de jornal, em um clube de serviços, no próprio negócio.

Havia, portanto, uma dimensão muito clara de carreira, com salários definidos, entidades sindicais fortes e uma organização do mundo do trabalho distanciada do foro íntimo – a casa, a família e o lazer.

Obviamente, este cenário trazia vantagens e desvantagens. Entre as vantagens, naturalmente, a solidez de uma vida profissional. Entre as desvantagens, os efeitos da obsolescência de determinadas carreiras e a maior sujeição às crises econômicas para determinadas atividades. Um refreamento do consumo, por exemplo, pode levar parte da indústria metalúrgica a demitir em massa.

A virada do milênio

O avanço tecnológico percebido sobretudo a partir da virada do milênio criou novos paradigmas no mundo profissional.

Uma legião de carreiras novas foi impulsionada para cuidar de temas como desenvolvimento de softwares e aplicativos, robótica, inteligência artificial e inovação em serviços, processos e produtos.

Redes conectadas dinamizaram as relações, antes circunscritas às atividades presenciais. A modernização dos meios de transporte encurtou distâncias e um mesmo produto pode passar por cinco países diferentes antes de ganhar a etiqueta e ser vendida ao consumidor final. 

A revolução dos aplicativos

Os aplicativos revolucionaram o mundo dos serviços – alimentação, transporte, turismo e relacionamentos. A produção intelectual sofreu disrupturas ligadas ao novo padrão de consumo de informação, notícia, filmes e música. 

São apenas alguns exemplos deste novo fenômeno, ainda em curso, que pôs em xeque as formas tradicionais como enxergávamos as coisas. E isso vale, naturalmente, para o mundo trabalho.

Sobretudo os profissionais mais jovens, acostumados a soluções mais rápidas e eficientes para os dilemas do dia a dia, passaram a não enxergar mais sentido em carreiras estanques, com regras muito rigorosas e sem perspectivas. E aqui não estamos falando “apenas” de perspectivas de progressão, mas sim de possibilidade de mudanças estruturais – novos projetos, novos desafios.

Em geral, esse pessoal continua qualificado, mas a noção de carreira mudou muito. Áreas multidisciplinares, repertório cultural, idiomas e versatilidade são requisições mais prioritárias do que apenas um diploma de graduação ou estabilidade financeira.

Ônus x bônus

É óbvio que este cenário também trouxe problemas, como a perda da noção de classe trabalhadora, a ruptura da fronteira trabalho-casa e os impasses ligados à flexibilização trabalhista.
Ao mesmo tempo, abriu frente para uma série de novos arranjos que tendem a transformar o mundo profissional em caso mais dinâmico, qualificado e, por que não dizer, prazeroso.

Ao poder construir sua própria rotina de trabalho, a dimensão do tempo foi irrompida e agora parte dos profissionais consegue conciliar os planos pessoais com as metas profissionais. E aí é que entram as novas propostas de controle de jornada de trabalho.

Controle de jornada: Expediente fixo e aberto

O expediente fixo, requerido na maioria das carreiras, tende a criar jornadas enfadonhas e com pouca margem para inventividade. Ao final do dia, o trabalho é fechado na gaveta e todo o senso criativo é interrompido para dar lugar a outras missões cansativas do cotidiano –  o trânsito, os boletos e as tarefas do lar.

Já o expediente aberto e dinâmico providenciado pelas conexões em rede abre margem para um profissional que elege o ápice de seu ímpeto criativo para cuidar das coisas do trabalho quando lhe convier. E isso é muito bom em determinadas carreiras, como as ligadas à tecnologia da informação, à indústria criativa e a determinados serviços.

Seria o fim?

É óbvio que não se trata do “fim” do trabalho convencional – mas uma coisa que a pandemia de coronavírus mostrou é que há uma legião de carreiras que não precisam mais desafiar a mobilidade urbana de nossas cidades para ser empreendidas em escritórios e espaços físicos, e pode perfeitamente ser adaptada à rotina comum do cidadão em sua casa.

Novos modelos de controle de jornada

As jornadas passam a ser controladas por regime de metas ou entregáveis, e no aspecto quantitativo as “horas” podem ser marcadas por aplicativos e outros sistemas.

Porém o Brasil possui legislações trabalhistas rígidas e muito detalhadas. Sobre o tema de controle de jornada de trabalho, existem, além da conhecida CLT, duas portarias do antigo Ministério do Trabalho12, são estas: a 1510, que regulamenta o REP – Registro Eletrônico de Ponto e o Sistema de Controle de Ponto e a 373, que regulamenta o uso de dispositivos e formas alternativas de marcações.

Portanto, é muito importante que a empresa que decida por uma flexibilização de jornadas e locais de trabalho, esteja atenta ao cumprimento das leis e portarias, evitando assim os litígios e autuações trabalhistas. Consultem sempre seu jurídico ou contabilidade. Os consultores da ControliD são especialistas no assunto, podendo auxiliar na decisão sobre a solução mais adequada para cada empresa e necessidade.

Algo mudou no mundo do trabalho e também no controle de jornada. E os sintomas disso já estão na rotina de todos nós.

Quer saber mais sobre controle de jornada de trabalho? Então acesse nosso blog, são matérias diárias para manter você mais informado.

Comentários

Cadastre-se e receba nossas novidades