5 dicas para não errar na folha de pagamento durante a pandemia

5 dicas para não errar na folha de pagamento durante a pandemia

Já falamos aqui sobre as inúmeras mudanças que foram empreendidas na legislação trabalhista durante a pandemia, com o objetivo de amenizar os impactos da crise econômica na vida das empresas. O profissional de RH passou a ter que lidar com muitos compromissos novos na hora de fechar a folha de pagamento: férias antecipadas, contratos suspensos, salários reduzidos e profissionais afastados

Neste post, preparamos um breve roteiro com um passo a passo para as situações mais comuns deste período, que garantem organização e evitam erros.

5 dicas para não errar na folha de pagamento durante a pandemia

1. Funcionário que teve o contrato suspenso ou a jornada reduzida

Embasamento: MP 936/2020

Roteiro

  • Observe se o funcionário pode ter o contrato suspenso por meio de acordo individual ou se é necessário o acordo coletivo (aqueles que recebem mais de R$ 3.135,00);
  • Se o funcionário atende aos requisitos do acordo individual, comunique-o sobre a nova situação com 48 horas de antecedência;
  • Se for necessário firmar acordo coletivo, convoque o sindicato para expor a situação;
  • Programe seu sistema para lançamento das novas informações de jornada e salário;
  • Firmado o acordo, comunique a Secretaria Especial do Trabalho, vinculada ao Ministério da Economia;
  • Comunique o sindicato da categoria em até dez dias, no caso de acordo individual.

2. Parcelamento do FGTS

Embasamento: Circular 897/2020

Roteiro

  • Ao fazer entrar no Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência (Sefip), informe a modalidade de recolhimento 1 para os contratos que serão parcelados.
  • Vale lembrar que o parcelamento é permitido para as competências de abril, maio e junho.
  • A partir de julho, faça as guias de parcelamento já excluindo os funcionários desligados ou recolhidos.
  • Atualize os índices do FGTS no Sefip para evitar juros e multas.

3. Rescisão

Roteiro

  • É basicamente o mesmo de antes da pandemia.
  • Caso o FGTS não tenha sido recolhido, regularizar as competências via sistema.
  • Regularize férias vencidas e eventual terço de férias pendente.
  • Se optou por suspensão do contrato, verifique se o funcionário não goza de estabilidade (funcionário não pode ser demitido por igual período em que se deu a suspensão).
  • Banco de horas: verifique se há pendências, lembrando que o banco pode ser compensado em até 18 meses após o término do estado de calamidade.

4. Adiamento das obrigações previdenciárias

Roteiro

  • Se a empresa não cumpriu as competências de março e abril, deve fazê-lo entre 20 de agosto e 20 de outubro.

5. Lista básica da folha de pagamento mensal:

  • Se o funcionário for afastado com covid, os primeiros 15 dias são de obrigação da empresa e os demais do INSS.
  • Confira os porcentuais de redução salarial: 25%, 50% e 70%
  • Não se esqueça de conferir os prazos de suspensão (até 60 dias) e redução de salários (até 90 dias).

Gostou das orientações sobre a folha de pagamentos durante a pandemia?

Então siga acompanhando o blogue da Control iD, líder no segmento de relógios de ponto, controladores de acesso e automação comercial. Estamos sintonizados com as mudanças mais recentes na legislação trabalhista e temos ainda mais dicas para o profissional de RH neste período.

Comentários

Cadastre-se e receba nossas novidades