Sua empresa está preparada para voltar às atividades presenciais?

Sua empresa está preparada para voltar às atividades presenciais?

Sua empresa está preparada para voltar às atividades presenciais?

O Brasil é um país de dimensões continentais e que vivencia realidades muito diferentes entre um estado e outro. Isso também vale para a pandemia de coronavírus, em que cada Unidade da Federação parece ter testemunhado uma realidade epidemiológica diferente, o que culminou na adoção de diferentes medidas de isolamento social.

Ainda assim, a maior parte das empresas paralisou as atividades presenciais ou adotou esquemas especiais de distribuição de jornadas, para evitar aglomerações de funcionários e preservar a saúde dos colaboradores. Nessa hora, vem a pergunta: quando voltar as atividades presenciais?

A resposta a esse questionamento não é simples e em alguma medida está relacionada a nossa reflexão inicial: é preciso verificar o comportamento da doença e as ações permitidas e vedadas em cada estado. Em outras palavras, essa não é uma decisão tomada ao bel-prazer do gestor da empresa, e está ligada à evolução ou involução da doença em cada local.

Supondo que a empresa trabalhe com atividades essenciais e/ou possa voltar a funcionar, passamos à reflexão seguinte – estabelecer se, quando e como a empresa deve restabelecer as atividades presenciais.

Dividimos esta orientação em quatro tópicos básicos que precisam ser levados em conta neste momento: a atividade econômica da empresa, o nível de adaptação ao home office, a situação financeira do empreendimento e, por fim, o plano de retomada.

Atividade econômica

Uma pequena indústria de calçados tem uma realidade totalmente diferente que a de um escritório de contabilidade. Por isso, não há que se falar em uma regra geral, quando na verdade cada empresário vive uma situação particular e sabe qual o nível de dependência que possui do trabalho presencial de seus colaboradores.

Em linhas gerais, atividades de “escritório” podem permanecer em home office por mais tempo, porque o fruto de seu trabalho depende menos (ou nada) de sua presença in loco. Um bom plano de reuniões periódicas, distribuição de tarefas, avaliação de resultados e controle de jornadas a distância pode preservar o grupo em casa por mais tempo.

Já as atividades industriais e comerciais estão mais ligadas à presença do funcionário, porque o fruto de seu trabalho está relacionado com atendimento ao público e ações operacionais.

Por isso, a retomada precisa necessariamente ponderar sobre a característica do estabelecimento.

Nível de adaptação ao home office

Sobretudo nas grandes cidades, o trabalho em casa se mostrou muito eficiente. Trabalhadores demonstram estar mais engajados e dispostos, por ter se livrado de horas de trânsito e outros transtornos comuns aos centros urbanos. Ainda assim, é vital pensar no bem estar dos colaboradores durante a pandemia.

Se o modelo de trabalho empreendido na empresa se mostrou afeita ao home office, não há razões para abreviar este período e antecipar a retomada presencial.

Para mapear esta questão nos aspectos quantitativos e qualitativos, basta comparar os rendimentos da empresa com os dos “tempos normais”, desconsiderando, claro, os efeitos da pandemia e, em paralelo, pesquisar junto a funcionários, colaboradores e clientes se houve grandes perdas com o fim da atuação presencial.

Se o resultado demonstrar que a atividade in loco é indispensável, é bom passar para o próximo item.

Situação financeira após voltar às atividades

Como já mencionamos, indústria, comércio e prestação de serviços muitas vezes dependem intimamente do trabalho convencional. Esses são os maiores prejudicados pelo afastamento laboral.

Desde o início da série histórica, o setor de serviços nunca viu tombo tão grande quanto o de agora: mais de 11,7%, segundo dados de abril.

Ainda que a resiliência tenha sido sacada à exaustão – bares atuando com delivery, barbeiros e cabeleireiras trabalhando na casa do cliente, entre outros exemplos – não tem sido fácil ganhar dinheiro com o estabelecimento fechado.

Sem dúvida, a situação financeira decorrente do fim do trabalho presencial é o maior catalisador do desejo de retomada, o que nos leva ao último item.

Voltar às atividades e o plano de retomada

Não recomece da noite para o dia. Estabeleça um plano de retomada que inclua: cuidados com a sede física, a fim de preservar a saúde de funcionários e colaboradores; gestão de RH, para mapear servidores em situação de risco ou que eventualmente pegaram coronavírus; gestão financeira, aderindo ou não às medidas de preservação do emprego e da renda; ações de escalonamento de jornadas, diminuindo a quantidade de trabalhadores atuando simultaneamente; por fim, comunicação à sociedade, chamando a atenção para a necessidade de retomada consciente e respeitosa.

Lembre-se: a pandemia aflorou muitas divergências entre as pessoas, e enquanto muitos cidadãos querem reabrir para retomar suas vidas, outros defendem o isolamento social radical, e precisam enxergar que seu negócio não está abrindo para tripudiar da doença, e sim por necessidade. Portanto, a retomada deve ser contida e, de novo, respeitosa.

Se o estabelecimento é aberto ao público, controle de frequência e medição de temperatura têm se mostrado imprescindíveis.

A Control iD pode ajudá-lo em duas frentes diferentes: no controle de acesso, por meio de controladores capazes de liberar ou barrar entradas e saídas, dependendo da quantidade de frequentadores; e no controle de ponto dos funcionários, com equipamentos que recebem multiprogramações, ideais para respeitar escalonamentos maiores de jornada. A identificação pode ser feita de maneira biométrica ou sem contato com o equipamento, por meio dos leitores de proximidade, ajudando a evitar o contágio desta e de outras doenças.

Aqui no blog, você tem acesso a essas e outras dicas para ajudar você a planejar e a voltar às atividades de seu negócio.

Comentários

Cadastre-se e receba nossas novidades